Kichute.

domingo, 12 de julho de 2009 6 comentários


Para o pessoal que viveu o momento escolar nas décadas de 70, 80 e o começo da década de 90 certamente usou um Kichute. O calçado era a solução mais barata e inteligente para os pais na hora de escolher o que os meninos usariam na escola, caiu no ostracismo no final da década de 90, perdeu boa parte de seu público, mas nunca perdeu o charme.
O Kichute foi criado pela Alpargatas em 1970. A empresa queria um calçado para aproveitar a paixão futebolística que assolava o Brasil por conta do Bicampeonato Mundial de 1962. Em 15 de junho de 1970, durante a Copa do Mundo do México o Kichute foi lançado e não poderia ter sido em melhor hora. A seleção brasileira de futebol jogava por música e o Kichute vendia como água. O calçado, a princípio criado para atender as classes C e D, era barato e muito, mas muito resistente. Além da praticidade, o Kichute era feito de lona e tinha cravos que imitavam uma chuteira de verdade.
A partir daí o Kichute passaria a estar intimamente ligado ao futebol, para sua alegria e posterior desgraça. O empresário Ricardo Trancoso, hoje dono de uma loja de material esportivo em Campos, foi um dos que usaram o Kichute na infância, mas hoje afirma que o bom e velho calçado não teria vez perto dos tênis esportivos que dão muito mais conforto para o usuário. "As marcas estão muito modernas e ninguém quer usar um Kichute, além de ser desconfortável perto dos calçados de hoje não tem o mesmo apelo que as novas marcas têm, o conceito de durabilidade que o calçado oferecia hoje não faz mais sentido", conta.
Foi justamente uma concorrência desleal que derrubou as vendas do Kichute e o transformou em peça de museu. Por estar diretamente ligado ao futebol, os pais preferiam comprar um calçado que pudesse durar, já que na hora do recreio a brincadeira predileta era chutar de bola de couro a latas de leite, o negocio era chutar alguma coisa. O problema é que com as derrotas da Seleção Brasileira de Futebol em 1982, 1986 e 1990, a história de chutar alguma coisa foi ficando sem graça e as vendas do Kichute caíram com o futebol do Brasil.
O calçado que chegou a vender em 1978, quase 98 milhões de pares, o que dá a impressionante marca de 10% da população do Brasil na época, não vendeu nem 10 milhões de pares em todo o país. Quando o Brasil voltou a ganhar uma Copa do Mundo os tênis esportivos já haviam escrito o epitáfio do Kichute. "A performance dos esportivos é muito melhor do que a do Kichute e para quem usava o calçado o dia inteiro era meio desconfortável, alem de causar um chulé insuportável", conta o segurança Cléber Aguiar que pediu o calçado aos seus pais, pois era o que havia de mais parecido com a chuteira de um jogador de futebol.
Hoje o Kichute não vende 200 mil pares por ano e a Alpargatas, embora tenha planos de relançar a marca, ainda não o fez. Com uma campanha de mídia perto do zero nenhuma loja de calçados se interessou pelo Kichute. "Eu acho arriscado, pois o Kichute, perto dos calçados de hoje, não funcionaria, eu não o colocaria à venda, a menos que o modelo fosse atualizado, a marca é muito forte, mas o modelo está ultrapassado", ponderou Trancoso.
Resgate - Em 2002 o estilista Alexandre Herchcovitch colocou seus modelos desfilando com Kichutes no São Paulo Fashion Week daquele ano. Segundo Herchcovitch, O Kichute foi revisitado e apareceu "moderninho", com estampas e tecidos da própria grife. Foi o último suspiro do Kichute e a sua última aparição em público. Se hoje os pais gastam um tênis a cada semestre, para os filhos que querem ser iguais ao Ronaldinho Gaúcho, só resta lamentar a falta que um Kichute faz.


O kichute e seus laços
Com certeza um dos maiores charmes do Kichute era a forma de se amarrar o cadarço. Nada dos nós mirabolantes que hoje estampam os All Stars, as formas de se amarrar o Kichute eram mais simples. Ou se amarrava o Kichute por baixo, com os cadarços passando por baixo do tênis ou amarravam os cadarços na canela. Conta a lenda que quem amarrava o cadarço por baixo eram os meninos que jogavam bola. E quem amarrava na canela não era muito bom com a bola nos pés. Como o Kichute possuía cravos de borracha maciça, altos, que imitavam os cravos de uma chuteira, passar o cadarço por baixo do calçado não trazia problema algum.
Para matar as saudades do Kichute, acesse o site http://www.kichute.com.br/ , mantido pela Alpargatas traz todas as informações sobre a marca, e até maneiras diferentes de se amarrar o cadarço.

6 comentários:

SERJAO_O_MARMANJJUS :

´´E, EU TIVE UM KICHUTE, ALIÁS, NÃO FOI SÓ UM KICHUTE, EU USEI NA MINHA INFANCIA TODA.
E NÃO TINHA MELHOR NÃO, ERA DURAVEL E
ESTILOSO PRA ÉPOCA, HOJE EU NEM FAÇO IDÉIA DE ONDE TEM PRA VENDER. SE É QUE AINDA FABRICAM.
MAS EU USARIA, SEM MEDO DEPAGAR MICO.

Deni Maciel :

quando se era ofendido....hahaha a moda era retrucar com: " sua mae lavava kintal d kichute"..as vezes funcionvava...
eu tive um.
mas desisti logo da idéia
não combinava com 'meu estilo...estilo = pé....duia mto ..
mas enifm.

primeira vez aki
espero retornar mais vezes
vi seu blog nu blog do perdedor sei lá mais o q kkkkkk ...
e sucesso ai nos posts muito bons =]
posso seguir seu blog!?.
aah e claro t convido a ir no insano:

www.bocadekabide.blogspot.com

e designar um redarguio lá sobre o dia mundial do rock and roll..
abraço e ótima semana!

BlogandoPontoCom :

kk
antigasso ein
ja ouvi falar
mas num usei
:(

www.blogandopontocom.blogspot.com

...

Ricardo Chicuta. :

Eu já cheguei a jogar no Estádio Heriberto Hulse,do criciúma, com mais de 10 mil pessoas vendo.De Kichute.

Reinaldo Cirilo :

Parabéns pelo blg muita coisa bacana.

Aproveitei a deixa do Kichute e também escrevi sobre no meu blog:

www.marketingblog.com.br

Abração.